sábado, 9 de junho de 2018

LUTO NO ESPORTE | Aos 78 anos, morre Maria Esther Bueno, a tenista mais vitoriosa do Brasil


Maria Esther Bueno durante partida contra Billie Jean King no torneio de Wimbledon - 02/07/1963
A ex-tenista brasileira Maria Esther Bueno, morreu nesta sexta-feira, 8, aos 78 anos no Hospital 9 de Julho, em São Paulo, onde estava internada, lutando contra um câncer na boca. Tenista mais vitoriosa da história do Brasil, ela foi número 1 do ranking mundial por quatro temporadas (1959, 1960, 1964 e 1966) e conquistou dezenove títulos de Grand Slam – sete na categoria individual. onze em duplas e um em duplas mistas. 

Nos torneios de simples, a “Bailarina”, como ficou conhecida, por causa de sua elegância no estilo de jogar, levou três taças em Wimbledon (1959, 1960 e 1964) e quatro no US Open (1959, 1963, 1964 e 1966). Em duplas, foram cinco conquistas em Wimbledon (1958, 1960, 1963, 1965 e 1966), quatro no US Open (1960, 1962, 1966 e 1968), uma em Roland Garros (1960) – no mesmo lugar e no mesmo ano, ela levou também o título em duplas mistas – e uma no Aberto da Austrália (1960). As conquistas em vários tipos de piso mostram a versatilidade e o talento da tenista brasileira.

Um ano após anunciar sua aposentadoria, Maria Esther Bueno teve seu nome incluído no Hall da Fama do Tênis em 1978, mesmo ano em que uma estátua de cera no famoso museu londrino Madame Tussaud foi feita em sua homenagem. Por vários anos foi convidada especial em torneios do Grand Slam. Ao todo, foram 589 títulos internacionais. Foi eleita a melhor tenista do século 20 da América Latina.

Em 1959, após sua primeira conquista em Wimbledon, Maria Esther Bueno desembarcou no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, e seguiu direto de helicóptero, que servia à Presidência da República, até o Palácio das Laranjeiras, onde foi recebida pelo presidente Juscelino Kubitschek. Ela ganhou a medalha do Mérito Desportivo. De lá foi para São Paulo, sua cidade natal, e desfilou pelas ruas lotadas de fãs em carro do Corpo de Bombeiros do Aeroporto de Congonhas até o centro.

Seu nome está no Livro dos Recordes: a final do US Open de 1964, contra a americana Carole Caldwell Graebner, Maria Esther Bueno venceu em apenas 19 minutos.

Nenhum comentário: